quinta-feira, março 20, 2008

Encontros

"Tomas Anderson: Neo, o que aconteceu com você aquele dia no hotel quando você morreu e voltou? Você descobriu o que é a Matrix?
Neo: Nada disto, apenas percebi o absurdo.
Tomas Anderson: Que absurdo?
Neo: O absurdo que é buscar a Matrix.
Tomas Anderson: Mas você buscava, não buscava?
Neo: Sim, eu busquei por muito tempo – a Matrix era minha meta. Fiz todo o possível para encontrá-la, mas sempre fracassei, agora entendo porque.
Tomas Anderson: Por que, Neo, me diga.
Neo: Porque eu acreditava que era o Tomas Anderson.
Tomas Anderson: Como assim?
Neo: Eu acreditava que eu era um "eu" separado da Matrix. Assim, esperava que um dia o “eu" encontrasse o “outro” (a Matrix).
Tomas Anderson: Mas você encontrou a Matrix não encontrou?
Neo: Não fui eu que encontrei a Matrix, foi a Matrix que se encontrou. No dia em que o Smith me matou, a própria Matrix percebeu que não há nada para ser encontrado, nem lugar algum para se ir.
Tomas Anderson: Mas você só pode falar isto porque descobriu, não é?
Neo: Tomas, quem descobriu foi a própria Matrix, eu, Neo, existência separada e com livre-arbítrio, não existe. Neste exato momento, por exemplo, nós somos a Matrix conversando consigo mesma.
Tomas Anderson: Que loucura é esta?
Neo: Pense bem, todas as coisas que estão ao seu redor agora estão existindo ao mesmo tempo que você por um motivo muito simples: todas são a mesma existência (a Matrix). Separação é como se as ondas estivessem olhando uma pras outras sem perceberem que são o mesmo mar.
Tomas Anderson: Mas porque acredito que existo separado?
Neo: Quem acredita também não é você, Tomas, é a Matrix.
Tomas Anderson: Então, quem sou eu? O que sou eu? Penso logo existo, não?
Neo: Tomas, note, se pra pensar leva tempo, e o aqui é agora é a ausência absoluta de tempo e espaço: onde está você agora?
Tomas Anderson: Em lugar nenhum.
Neo: Lugar nenhum é todo lugar. Você está em todo lugar, Tomas, pois você é a Matrix, aqui e agora. Você é a Matrix olhando para si mesma. Você não está conversando comigo. Eu não estou conversando com você. Apenas a Matrix está em atividade. Abelha, flor, mel, estrela, eu, você, é tudo uma atividade só: é a atividade da Matrix. Permaneça como um simples observador e você perceberá que a Matrix está observando a si mesma, por todos os lados. Se bem que não existem lados, o que facilita bastante o trabalho da Matrix. Tomas Anderson: Mas se tudo já é a Matrix, se a Matrix sou eu e você também. Porque a Matrix precisa de nós?
Neo: Porque a Matrix só pode ver você (Tomas Anderson) através de mim. Porque a Matrix só pode me ver (Neo) através de você. Logo, é só através de nós (dois) que a Matrix pode ver a si mesma."

Texto: Marcelo Ferrari

muito bom! Êeee busca danada...

*

Nenhum comentário: