sábado, dezembro 01, 2007

Ah, Clarice....

“Eu estava habituada somente a transcender. Esperança para mim era adiamento. Eu nunca havia deixado minha alma livre, e me havia organizado depressa em pessoa porque é arriscado demais perder-se a forma. Mas vejo agora o que na verdade me acontecia: eu tinha tão pouca fé que havia inventado apenas o futuro, eu acreditava tão pouco no que existe que adiava a atualidade para uma promessa e para um futuro”. "Mas ouve um instante: não estou falando do futuro, estou falando de uma atualidade permanente. E isto quer dizer que a esperança não existe porque ela não é mais um futuro adiado, é hoje. Porque o Deus não promete. Ele é muito maior que isso: Ele é, e nunca pára de ser. Somos nós que não agüentamos esta luz sempre atual, e então a prometemos para depois, somente para não senti-la hoje mesmo e já. O presente é a face hoje do Deus. O horror é que sabemos que é em vida mesmo que vemos Deus. É com os olhos abertos mesmo que vemos Deus. E se adio a face da realidade para depois de minha morte - é por astúcia, porque prefiro estar morta na hora de vê-Lo e assim penso que não O verei realmente, assim como só tenho coragem de verdadeiramente sonhar quando estou dormindo". "É medo. Pois prescindir da esperança significa que eu tenho que passar a viver, e não apenas a me prometer vida. E este é o maior susto que euposso ter. Antes eu esperava. Mas o Deus é hoje: seu reino já começou". "E eis que eu estava sabendo que a promessa divina de vida já está se cumprindo, e que sempre se cumpriu. Anteriormente, só de vez em quando, eu era lembrada, numa visão instantânea e logo afastada, de que a promessa não é somente para o futuro, é ontem e é permanentemente hoje: mas isso me era chocante. Eu preferia continuar pedindo, sem ter a coragem de já ter".

Fragmentos de Clarice, em "A paixão segundo G.H"

Um comentário:

ap disse...

Oi Dani, quanto tempo, né. Nossa cervejinha nem saiu e o final do ano já está ai. Estava dando uma passeada nos meus favoritos e vi o seu blog, entrei e vi esse texto da Clarice, que é, além de lindo, do livro que mais gosto dela. Adorei. E achei uma maneira incrível de começar o dia, buscando o sempre atualizado presente. Se a tarefa não fosse tão difícil, um belo texto seria suficiente pra gente conseguir, não? Mas como tudo é aprendizado, a gente tenta um pouco aqui, mais um pouco ali e vê no que vira.
Estou com saudades da senhorita. Depois dá uma espiadinha no meu blog também. Beijão e boa semana.
Aninha