domingo, setembro 14, 2008

assim

"Não entender" era tão vasto que ultrapassava qualquer entender — entender era sempre limitado. Mas não-entender não tinha fronteiras e levava ao infinito, ao Deus. Não era um não-entender como um simples de espírito. O bom era ter uma inteligência e não entender. Era uma bênção estranha como a de ter loucura sem ser doida. Era um desinteresse manso em relação às coisas ditas do intelecto, uma doçura de estupidez."

Clarice Lispector
Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres

Então... é algo mais ou menos assim: eu entendo, mas não sei explicar. É que é simples, muito simples, e tão sutil que não comporta a menor das complexidades da lógica. É. E se eu tentasse esticar a conversa já estaria mudando de assunto... :)

2 comentários:

Olirum disse...

Adoro a Clarice. Adoro o jeito como ela escrevia!
Ótima atualização

bjs

Em Construção... disse...

ah ela Clarice nos faz entender tudooooooo dessa vida....
Boa semana linda!
bjus