quarta-feira, novembro 12, 2008

gente boba


São curiosas, e muitas vezes inusitadas, as maneiras como duas pessoas deixam de ser dois estranhos para se tornarem amigos. Um pensamento compartilhado, uma troca de sorrisos, uma pequena gentileza, um olhar cúmplice, um silêncio tranquilo qualquer. Num restaurante, numa sala de aula, num e-mail, na padaria, na sala de espera do dentista. Momentos de sutilezas e sintonia que permitem pequenas confissões.

Conversando com uma amiga nesta segunda, constatamos algumas coisas que temos em comum. Uma delas é que somos bobas. Ela estava triste e dizia que se achava muito boba por acreditar nas pessoas. E então falei da minha visão sobre isso para ela, porque eu, igualmente boba, também tinha sofrido um bocado nas minhas relações com o mundo. O negócio é que eu comecei a ver que quanto mais eu aceitava esse meu lado ingênuo e convivia bem com ele, mais eu conhecia outros bobos como eu. E isso era mágico. E cada vez mais divertido, cada vez a vida fica mais suave e me dá mais vontade de ser eu mesma e brincar com tudo. Sei lá, de repente esse nosso mundo fica mais bonito. Mesmo que existam os dias duros e cinzentos, frios e nublados, a bobeira sempre reaparece, mesmo que por vezes apenas por alguns minutos, mas, minutos que valem muito à pena! Minutos em que é impossível a gente se conter. Sorrimos sozinhos no elevador, sorrimos pro travesseiro antes de dormir, sorrimos na fila do supermercado, atravessando a rua.

Coisa que só os bobos entendem.

Mandei então um texto do Osho pra ela (esse aqui).

E hoje dei de cara com este outro da Clarice. Reparem só, parece que esses sujeitos andaram conversando. Um perigo esses bobos andando por aí, uma hora acabam se cruzando.
DAS VANTAGENS DE SER BOBO

"O bobo, por não se ocupar com ambições, tem tempo para ver, ouvir e tocar o mundo. O bobo é capaz de ficar sentado quase sem se mexer por duas horas. Se perguntado por que não faz alguma coisa, responde: "Estou fazendo. Estou pensando." Ser bobo às vezes oferece um mundo de saída porque os espertos só se lembram de sair por meio da esperteza, e o bobo tem originalidade, espontaneamente lhe vem a idéia. O bobo tem oportunidade de ver coisas que os espertos não vêem. Os espertos estão sempre tão atentos às espertezas alheias que se descontraem diante dos bobos, e estes os vêem como simples pessoas humanas. O bobo ganha utilidade e sabedoria para viver. O bobo nunca parece ter tido vez. No entanto, muitas vezes, o bobo é um Dostoievski. Há desvantagem, obviamente. Uma boba, por exemplo, confiou na palavra de um desconhecido para a compra de um ar refrigerado de segunda mão: ele disse que o aparelho era novo, praticamente sem uso porque se mudara para a Gávea onde é fresco. Vai a boba e compra o aparelho sem vê-lo sequer. Resultado: não funciona. Chamado um técnico, a opinião deste era de que o aparelho estava tão estragado que o conserto seria caríssimo: mais valia comprar outro. Mas, em contrapartida, a vantagem de ser bobo é ter boa-fé, não desconfiar, e portanto estar tranqüilo. Enquanto o esperto não dorme à noite com medo de ser ludibriado. O esperto vence com úlcera no estômago. O bobo não percebe que venceu. Aviso: não confundir bobos com burros. Desvantagem: pode receber uma punhalada de quem menos espera. É uma das tristezas que o bobo não prevê. César terminou dizendo a célebre frase: "Até tu, Brutus?" Bobo não reclama. Em compensação, como exclama! Os bobos, com todas as suas palhaçadas, devem estar todos no céu. Se Cristo tivesse sido esperto não teria morrido na cruz. O bobo é sempre tão simpático que há espertos que se fazem passar por bobos. Ser bobo é uma criatividade e, como toda criação, é difícil. Por isso é que os espertos não conseguem passar por bobos. Os espertos ganham dos outros. Em compensação os bobos ganham a vida. Bem-aventurados os bobos porque sabem sem que ninguém desconfie. Aliás não se importam que saibam que eles sabem. Há lugares que facilitam mais as pessoas serem bobas (não confundir bobo com burro, com tolo, com fútil). Minas Gerais, por exemplo, facilita ser bobo. Ah, quantos perdem por não nascer em Minas! Bobo é Chagall, que põe vaca no espaço, voando por cima das casas. É quase impossível evitar excesso de amor que o bobo provoca. É que só o bobo é capaz de excesso de amor. E só o amor faz o bobo."

Clarice Lispector


7 comentários:

Marina disse...

Como é bom ser boba!!! Ser bobo nos machuca tanto.... mas a dor não se compara com a alegria que é ser boba! ^^

Tão bom acordar sorrindo para a vida... dar bom dia aos passaros, ao sol... dormir conversando com as estrelas...

Tão bom tratar todo mundo bem!!!

Descobri uma coisa! Ser bobo é contagioso... SERIO!!! Isso pega... saia sorrindo por ae e vê se alguem não vai sorrir de volta ^^ viu como pega??

Sem mais
Mari

Leandro disse...

Oi Dani!
Obrigado!
Re-postei o texto da Clarice lá no blog do Jogo do Herói.

beijos!

Pavón disse...

Eu sou um eterno bobo, que acredita nas pequenas coisas e em todas as pessoas. Digo que se acreditamos em alguem ela pode nos surpreender, para o bem ou para o mal, mas sempre nos surpreende. Nao ligo de ser bobo, pq sou um bobo feliz...

"As pessoas são insubstituiveis, por que todos somos a soma de pequenos e belos momentos"

Beijos

Polêmica disse...

O bobo tem uma meneira desencanada de levar a vida, isso faz com que ele nem se importe com os problemas, enquanto, os que se julgam espertos, não levam desaforo para casa, reclamam de tudo, acham que todo mundo está querendo passar a perna nele, e vive com a cabeça cheia. Bom mesmo é ser bobo, respirar e dormir aliviado!

Beijos!

Em Construção... disse...

Quero ser BOBA DANIIIIIIIII SMPRE ..RS
Ameiiiii
Beijokaaasss
DANY

Dani disse...

Pois é, Mari! Ainda que às vezes machuque, é uma coisa TÃO BOA que fica no peito que vale à pena SEMPRE!

E já concordei com você, contagioso MEEESMO... maravilha! rs...

Beijo!

Dani disse...

Que legal, Lê! Eu que agradeço! E pensei mesmo na carta do Louco...
Beijão!