terça-feira, maio 19, 2009

Fronteiras

"Não me deixe viver o que posso,
que me seja permitido desaprender os limites."
Fabrício Carpinejar


Limites são relativos.
Que eu possa estar sempre redescobrindo-os.
Os meus, os seus, os nossos.

um pouco do Fabrício aqui

3 comentários:

Fabio Machado disse...

Desde que comecei a estudar Teosofia no início desse ano, eu entendi que é a nossa percepção - o instrumento denso da nossa consciência - que baliza nossa noção de limite, nossa noção de amor e talvez todas as nossas noções ! rs
O difícil é alcançar o não-dualismo, aliás, mencionado também por Ken Wilber.

Fica bem !

disse...

Nunca pare de girar e de compartilhar seus horizontes!
Adorei sua visita, obrigada ;)
Bjos.

p.s: há um selinho te esperando no Ensaios Raros, espero que goste!

Ruberto Palazo disse...

Tenho a leve impressão que criamos nossos limites cada vez que desafiamos nossos medos...

Beijos