segunda-feira, março 15, 2010

definição

"Gosto de talvez. Da incerteza da palavra e das suas possibilidades. Não gosto de sim, de não, de nunca, de sempre. Renuncio às respostas muito definitivas quando possível. Desconfio das certezas e das definições. Não vivo a paranoia de me afirmar ou de me contradizer a todo instante, nem quero, pelo menos não por agora. E não me preocupo se por vezes me afirmo ou me contradigo. No fundo, não quero ter certeza de nada, e nem também não a ter. Quero o duvidoso, o impreciso, o variável, e – por que não? – o vacilante. Eu quero a vida, que não carece de definição."
Pedro Rabello via vazio criativo

também gosto de talvez. também não gosto de nunca e de sempre.
detesto "não", mas preciso dele. e adoro "sim".
também renuncio às respostas definitivas e desconfio das certezas.
mas a paranóia de me afirmar e de me contradizer eu vivo todo instante.
no fundo, eu quero algumas certezas, algumas. respostas dão o norte. 
o impreciso é real, o variável é sincero, mas o vacilante me parece oco demais.

Nenhum comentário: